sábado, 8 de setembro de 2012

A VERDADEIRA "ALDEIA DO BISPO!"


A Aldeia de João Pires, no Concelho de Penamacor, parece ter mudado de nome. Que alegria a dos seus habitantes, e que são orgulho, quando se referem ao facto de um dos seus conterrâneos, que já estimavam como sacerdote, ter sido escolhido, pelo Espírito Santo, representado pelo Santo Padre, o Papa Bento XVI, para bispo!
Estes mesmos sentimentos e muito carinho é o que se nota na relação dos habitantes da aldeia para com os pais do novo prelado.
Aproveitaram a festa da Senhora da Graça, celebrada hoje, 08 de setembro, para lhe renderem uma especial e calorosa homenagem.
Aliás, o Sr D. António Moiteiro Ramos, o Bispo em questão, teve a preocupação de lembrar que a festa não era dele, mas da Senhora da Graça, para que não subsistissem dúvidas.
Convenhamos que, na igreja, tudo se encaminhou para Nossa Senhora, exceto o discurso inicial: os cânticos, entoados por um coro afinadíssimo e abrilhantados, no final da elevação, por um "Bendito e Louvado Seja", com caraterísticas musicais alentejanas, por um grupo masculino, instalado no coro da igreja, que surpreendeu e quase assustou a todos os que celebravam a Eucaristia. A homilia, na qual o Senhor Bispo alertou os fiéis para uma devoção à Senhora da Graça, não apenas sentimental, mas com Fé no poder da Virgem Maria e no importante papel que Ela desempenhou, com o seu Filho, na salvação do género humano, ao dar o seu SIM a Deus. Na procissão, pelas ruas da aldeia, na qual só teve direito a participar a imagem da Senhora da Graça e a de S. Miguel. Até parece que foi um "toque" especial de alguém que está ligado à Liga dos Servos de Jesus, da qual, um dos protetores de maior relevo é, precisamente, este Arcanjo.
A festa parece ter terminado ali, com o recolher da procissão, e, de facto, as imagens e o Senhor ficaram na igreja, mas continuaram a acompanhar os participantes espiritualmente, já que a religião não é para ser vivida só na igreja, mas na vida real.
Seguiu-se um almoço simples, bem confecionado, abundante e sem exageros, servido num local aprazível, ao ar livre, mas ao abrigo de árvores talvez centenárias. Segundo informação, aquele espaço é privado. Porém, é disponibilizado, sempre que necessário, por uma família, filha da terra, para eventos deste teor. 
Não fossem todos seres humanos, e a boa disposição e o ar acolhedor daquela gente teria sido o bastante para ficarem saciados.
O Senhor D. Manuel Felício e o Presidente da Câmara de Penamacor acompanharam o novo bispo, durante os atos de maior relevo. Também um grupo de Servas de Jesus, em nome de toda a Liga, quis reiterar a sua presença, já habitual nos momentos festivos dedicados aos seu ex Assistente, depois de ter sido nomeado bispo, noutros locais. 
A banda filarmónica, preservação dos valores tradicionais da aldeia, imprimiu um ar de solenidade e harmonia ao ambiente, já de si festivo. Solenizou o percurso dos concelebrantes, da sacristia para a igreja, o da procissão, e, no final do almoço convívio, apareceu para o momento de despedida.
Voltando ao discurso inicial, proferido por alguém de destaque na aldeia, a pedido da Comissão Fabriqueira, encarregada da organização do evento, em colaboração com a Junta de freguesia, continha uma saudação muito carinhosa ao novo Bispo, descrevia o seu percurso cristão na paróquia, desde a receção do batismo à catequese e aos restantes sacramentos de iniciação cristã, em que foi acompanhado por alguns dos presentes, da mesma fase etária, ao interesse e colaboração que continuou a demonstrar e a prestar, enquanto sacerdote e, ainda, um pedido para, na medida do possível, continuar a apoiar os seus conterrâneos.
Foram lembrados os sacerdotes que ali trabalham, trabalharam ou já se encontram no gozo eterno, os professores e todos em geral. Ninguém ficou de fora!
A aldeia tinha um ar agradável e, em termos logísticos, as estruturas essenciais. Conhecem-se, ali, muito bem, as normas de higiene.
PARABÉNS aos habitantes de Aldeia de João Pires!
Nunca se esqueçam que o Senhor D. António, o "António da nossa terra", como referiu um dos concelebrantes, no momento dos vivos, continua a precisar de apoio. 
E sabem que tipo de apoio, não sabem?
Nota-se que são pessoas com formação e esclarecidas...
Afinal, qual será a verdadeira Aldeia do Bispo?

2 comentários:

António Serrano disse...

Estive lá, nesse dia. E gostei muito! Obrigado pelo que escreveu de nós! E do nosso Bispo!

feliz disse...

Penso ter dito a verdade. É gente de muito bons sentimentos e que preserva os valores humanos essenciais, que, hoje, passam ao esquecimento...